Para um amigo que vai ser pai

Querido amigo,

Falta pouco agora para você tornar-se pai. Quer dizer, pai você já é. E a pequena na barriga da sua esposa é uma realidade da qual você se dará conta de maneira contundente assim que botar os olhos nela pela primeira vez. Não sei como é essa sensação de tornar-se pai. Sei como é a de tornar-se mãe. Mas decidi te escrever para te dar todos os conselhos dos quais você não necessita. Apenas porque você me é caro. E porque quero que seja feliz.

  • no dia D, deixe o celular desligado. E deixe as fotos para lá. Deixe tudo o que é obstáculo de lado. Não coloque nenhuma barreira entre você e o que vai viver, não se proteja. Vá vulnerável, vá fragilizado, vá em carne viva, como sua mulher. E sinta cada sentimento e cada sensação com todo o seu corpo e toda a sua alma. Nessa hora em que tudo é acontecimento, tudo é presente, tudo é intensidade, há quem prefira se esconder. Porque dá medo demais. Não estamos mais acostumados a sentir, fugimos disso. Então, se puder, esteja presente. Ali e só ali. Te garanto que para além do medo tem uma experiência incrível a ser vivida, que pode até mesmo mudar você profundamente.
  • tenha em mente que sua mulher se sente ainda mais vulnerável que você. Proteja-a, cuide dela com carinho ao longo de todo o processo. Esteja perto, ajude-a a não desistir na hora em que ela estiver esgotada. Lembre-a e lembre-se de tudo o que quiseram que esse momento fosse. Diga palavras carinhosas e sinceras. Seja para ela fortaleza, pois ela estará sendo o mesmo ao parir a filha de vocês.
  • não é verdade que você não pode fazer nada além de assistir e esperar. Você pode fazer tanto por sua mulher quanto ela fará por sua filha. Isso é algo que muitos homens parecem não entender, querendo estar ali onde não é possível, cegos para aquilo em que são necessários.
  • confie em vocês dois. Confie na capacidade que sua mulher tem de parir. Confie na capacidade que você tem de ajudá-la. Confie na capacidade que sua filha tem de nascer. Confie em vocês três acima de tudo o que pensem, de todos os medos, de todas as dúvidas. Confie apesar dos outros. E tenha toda a garra e toda a força dessa confiança.
  • passe todo o tempo que puder com sua mulher e sua filha. Não apenas porque tudo muda muito depressa e porque filhos crescem rápido, mas porque é um verdadeiro deleite vê-los descobrirem o mundo. E apresentar o mundo a eles. E descobrir-se nesse lugar de pai e mãe, com tudo o que isso tumultua e agita em nós.
  • passe todo o tempo que puder com sua mulher e sua filha também porque elas vão precisar muito de você. O começo é quando um bebê precisa mais, não aos 15 anos quando você percebe que não estava presente e decide recuperar o tempo perdido.
  • sua filha vai precisar muito da mãe dela. Não fique com ciúmes e nem se sinta rejeitado. Nem por uma, nem por outra. É assim, bebês precisam demais de suas mães. E muitos homens sentem nisso uma competição e atormentam suas mulheres com exigências de atenção totalmente sem sentido. O melhor que você pode fazer é reconhecer essa necessidade da sua filha como verdadeira e legítima e apoiá-la nisso. Como? Apoiando sua mulher para que ela possa estar com a bebê o tanto que for preciso. E do modo como for preciso.
  • perceba que cuidar da sua filha é cuidar da sua esposa. Nesse começo, uma mulher cuidada e protegida fica muito mais segura e tranquila para se deixar levar por esse tsunami que é a maternidade. E para amamentar. E para passar o dia naquele ritmo de mamadas, sonos, falta de sono e tudo o mais que desorientam totalmente uma pessoa sã. Então, se puder, cuide de todo o resto. Da casa, da comida, da roupa suja, das visitas. Ou chame para perto quem possa cuidar: família, amigos próximos, gente que saiba que o que vocês precisarão nesse momento é de silêncio e calma para se aclimatarem na nova vida. E uma jantinha quente, uma ajuda com a faxina e uma mãozinha na hora de ir na farmácia comprar fraldas que acabaram.
  • não se espante com as mudanças de humor da sua mulher, com os estados de êxtase, com a tristeza profunda, com a desorientação, com a raiva, com o luto, com a fragilidade. Coloque tudo na conta dos hormônios. E da imensa mudança de vida. Mas leve à sério. E leve à sério também o turbilhão de sentimentos contraditórios que vão te invadir. Não pense que precisa ter certezas nessa hora. Porque será tudo novo e incerto. Saiba que aos poucos tudo se ajeita, mesmo que pareça impossível. E que em pouco tempo essa imensa angústia do começo se acalma e o coração pode aproveitar melhor toda a alegria de estar ali.
  • nunca se envergonhe de quem você é e do que pode oferecer. Dinheiro está longe de ser aquilo de que sua filha mais necessitará e, isso posso garantir, será o que menos vai impressioná-la. Não dê dinheiro e bens no lugar de afeto. Dê todo o afeto de que seu coração é capaz, porque sempre brota ainda mais amor sabe-se-lá-de-onde. E cada instante dessa afeição vai ajudá-la a ser uma garota segura de ser querida e amada, tranquila por saber que tem quem a acompanhe em seus passos quando ela precisar.
  • toque violão, conte sua história, torne presentes aqueles que se foram. Deixe ela descobrir o vento batendo no rosto, a água salgada do mar, o som de uma bela canção, que cair acontece e que é possível levantar-se. Proteja-a, mas deixe-a livre para descobrir a vida. Nisso os pais são muito mais eficazes do que as mães, nós sempre temos medo de que “algo aconteça”. Vocês sempre conseguem sair sem levar um casaco, perder um sapato no meio do caminho, trocar a fralda num banco de praça, alimentar com um pedaço de pão e incrivelmente tudo dá sempre certo. Isso nos aterroriza, nos indigna e nos alivia. Precisamos desse desapego, filhos e mães.
  • diga à sua mulher do orgulho que você sente pela filha que têm, do quanto valoriza o seu esforço em amamentar, do quanto admira o cuidado e a dedicação com os quais ela se empenha cotidianamente enquanto você trabalha. Dê valor ao que tem muito valor, dê valor em voz alta, reconheça para ela e para todos. Veja com olhos amorosos a barriguinha, os quilos a mais, as marcas no corpo de um corpo que acolheu a sua filha. Não faça piada, não tire sarro, nessa época ficamos tão sensíveis que vocês nem imaginam. Essa generosidade de uma mulher que concebe e dá luz à uma vida nunca é por demais lembrada.

Ser pai não deve ser fácil. Deve ser uma invenção trabalhosa, como a de ser mãe. Provavelmente deve pesar em muitos momentos. Mas eu penso que é um acontecimento que pode mudar a sua vida. Você vai envelhecer, certamente. Muitos cabelos brancos vão brotar na sua cabeça. Dificilmente haverá um dia em que você não se sentirá ainda mais concernido pelos rumos políticos, pela violência, pela destruição da natureza, pela busca de uma alimentação saudável, por idéias de educação mais humanas e criativas. Provavelmente você passará muitos minutos preciosos de suas noites mal  dormidas acordado, rolando na cama, tentando pensar nisso tudo, buscando a segurança e o controle perdidos no exato momento em que sua filha nascer. Não vai encontrar, te adianto. Pensará em ser durão, terá medo de criar mais uma criança tirana entre as tantas que vemos por aí. Pensará em estabelecer limites e em fazer funcionar a função paterna.

Posso te dizer? Deixa isso tudo para lá. Na verdade é bem mais simples do que a gente pensa antes de nos tornarmos pais e mães: em caso de dúvida, pense em como você se sentiria e acrescente uma intensidade multiplicada por mil, dada a pequeneza e a precariedade de um bebê. Assim terá uma remota idéia do que pode estar se passando e do que aquela miudeza precisa. E, o mais importante de tudo: face a qualquer dificuldade ou a qualquer desconhecido, escolha sempre a opção do coração. Sempre.

Boa sorte a vocês três. E que seu coração fique repleto da alegria terna que apenas os filhos nos trazem.

Com carinho, A.

 

14 comentários sobre “Para um amigo que vai ser pai

      1. 2 dias depois de ler este texto, meu filho nasceu… Que emoção! Lembro das suas palavras até hoje! E quero dizer que meu marido tem sido um pai maravilhoso! Uma benção nas nossas vidas!
        Beijo!

  1. Que carta maravilhosa! Você conseguiu expressar de maneira tão delicada e sensível um momento tão único, em que tantos passam por ele… Seu amigo tem muita sorte! Ele tem você! Parabéns! Muitos pais precisam desses conselhos! Um grande abraço!

  2. Um presente a ser compartilhado com todos os papais futuros! Resume muito do que vão viver. E, sabiamente, orientam ao reforço dos laços familiares: ajudar a mulher, amar a filha incondicionalmente!
    Vou compartilhar!
    Bjs

  3. Lindo texto. Como fui pai muito cedo, logo aprendi que esta é uma benção e que um bebê chega apenas para iluminar nosso caminho. Hoje, bem mais maduro, posso perceber que ter um filho me trouxe para um caminho positivo e cheio de luz e digo a todos meus amigos que não são pais, que não tenham medo desta aventura. Parabéns pelo artigo e pelo blog, muito bacana mesmo!

    1. Obrigada, Bruno. Muito bom ter notícias de como os pais vivem a paternidade. Afinal, nós mães falamos muito mais. 😉 Um abraço, Alessandra.

  4. Alessandra,
    encontrei seu blog por acaso. Muito por acaso! Daquela maneira que acontecem as coisas preciosas da vida.
    E fiquei apaixonada. Dividi com algumas amigas que tem filhos. Li em voz alta com meu marido em madrugadas enquanto nossa bebê mamava.
    Parabéns! O que vc escreve aquece o coração, ilumina o pensamento.
    Helena

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s