Como a vida mudou!

Sinceramente, quando dizem que a maternidade muda a sua vida, eu posso te garantir que nem que você seja a pessoa mais criativa do mundo você dará conta de imaginar o quanto isso pode ser verdadeiro e radical. E muda de maneiras inesperadas, ainda por cima. Nada a ver com dormir menos ou coisa que o valha, porque disso todo mundo fala. Falo de mudanças nas entranhas, sabe? Aquelas com as quais você não contava. Senão, vejamos.

Sempre fui uma workaholic convicta, para quem o trabalho era a principal fonte de investimento prazer e inspiração. E agora desloquei tudo isso para a maternidade, certo? Não, cara pálida, errado. Agora estou há um ano sem trabalhar, o que quase me deixou maluca, mas também me fez pensar muito sobre o sentido em ter o trabalho como centro da vida.

Sim, é gratificante demais encontrar uma profissão que te encante, que te interesse diariamente e que te traga satisfação além do dinheiro em exercê-la. Ser independente, pagar as próprias contas e, ainda mais, fazendo algo que gosta soa como o auge da realização. Pois é, eu já vivi tudo isso, já estudei muito, já trabalhei feito maluca, já investi intensamente no meu trabalho, na minha carreira, nos meus projetos, com tudo o que isso sempre implicou, inclusive, em termos de vida pessoal: minha vida era o meu trabalho e, mesmo sem perceber, tiveram umas tantas coisas bem importantes que ficaram sacrificadas ao longo do caminho.

Tudo bem, não sou a primeira e nem serei a última mulher desse mundo que farão esse caminho. E ainda que muitas de nós pareçam estar satisfeitas com os resultados, vejo uma boa pitada de amargor em gente como eu que chega nesse mesmo ponto da vida e começa a se dar conta, por um ou outro acontecimentos marcantes, que nada faz muito sentido.

A questão não é trabalhar, ter uma carreira, valorizar e ser valorizada por isso. A questão é o momento em que atravessamos uma fronteira em que isso e torna o centro de nossas vidas e tudo o mais – e existe muito mais do que isso – fica pegando poeira ali do lado, definhando lentamente.

Nasci e vivi boa parte da minha vida em São Paulo. E enquanto estive por lá, o trabalho foi praticamente tudo na minha vida. Eu trabalhava umas 50 horas por semana, inclusive aos finais de semana. E adorava isso. Adorava o estresse, a correria, o desafio. A grande maioria dos meus amigos e conhecidos de lá faz o mesmo, não importa em que área trabalhem. E parecem satisfeitos.

Mas daí eu vim para a França e, na medida em que comecei a criar aqui uma rotina e a ter contato com outras pessoas, me deparei com um modo totalmente diferente de viver a vida e de encarar o trabalho. E esse modo diferente, em que existe espaço e condições para fazer outras coisas no seu cotidiano além de trabalhar me fez questionar até que ponto meu estilo centrada na carreira era escolha ou falta de opção.

Quero dizer: será que o fato de vivermos em uma cidade hostil como São Paulo, violenta, com poucos espaços públicos e sem nenhuma cultura de usufruir da cidade… Será que uma cidade onde mal se pode andar pela rua, onde boa parte das atividades de lazer se restringem ao consumo, onde programa com os amigos é fazer compras no shopping ou ir jantar em restaurante… Será que uma cidade em que se leva duas horas para chegar ao trabalho e duas horas para voltar dele, onde ninguém consegue terminar seu dia antes das dez horas da noite… Será que uma cidade cara, centrada no consumo, onde as atividades culturais custam, em sua maioria, os olhos da cara e onde as pessoas se sentem constrangidas em museus, galerias de arte e na Sala São Paulo… Será que uma cidade onde a educação “de qualidade” é paga e custa caro, onde a saúde “de qualidade” é paga e custa uma fortuna, onde todos os serviços essenciais são pagos, assim como o condomínio, todas as despesas de ter um carro… Será que uma cidade como essa, em que a vida é tão difícil, inóspita, violenta, complicada e segregada não nos empurra a acreditar que a vida é trabalho porque, no fim das contas, é só o que dá para fazer mesmo? Porque precisamos ganhar cada vez mais para bancar essa vida nessa cidade e nesse país e, no fim do mês, a conta quase não fecha?

Não discuto aqui que trabalhar pode ser projeto de vida de muitas pessoas e que pode ser um grande prazer e uma baita injeção de adrenalina. Nem discuto que existe saúde, educação, transporte e segurança públicos em São Paulo. E discuto ainda menos a qualidade dos mesmos, pois sei que existe muito serviço público de qualidade em meio a outros tantos bem ruins. O que estou discutindo é se não criamos ou embarcamos em uma mentalidade estressada, que vive correndo atrás de não sei qual prejuízo e que vive da vida muito pouco. E exige menos ainda. E ainda acha que essa vida é normal. Descobrir que pode ser muito diferente é um choque.

A primeira vez em que voltei de uma festa de madrugada, andando, sozinha, em pleno sabadão invernal parisiense percebi que alguma coisa havia mudado essencialmente nas minhas entranhas. Eu descobri que era possível viver diferente. E viver melhor. Andar nas ruas, que são de todos, poder circular, ocupar a cidade, usufruir daquilo que é de todos. E cuidar também, porque é de todos. E usar os serviços públicos, que são bons e funcionam. E poder contar com eles. E não precisar ter despesas astronômicas com saúde e educação. Nem com transporte.

Se tudo isso já bastou para me questionar sobre o porquê focalizei tanto da minha vida em torno do trabalho, engravidar veio reforçar e acentuar ainda mais essas indagações. Que sentido faz trabalhar tanto para ganhar tanto se o que se faz é passar a vida correndo atrás do próprio rabo dos próprios gastos? Que sentido faz nutrir toda essa maquinaria para começar a embarcar nela os próprios filhos, afastando-se deles para poder cuidar deles? Não parece um contra-senso? Para cuidar preciso estar longe, trabalhando de sol a sol a fim de garantir todas as coisas, todos os serviços, todas as necessidades que o pequeno rebento possa ter… com exceção de sua necessidade da minha presença. Trocamos presença por todas as outras coisas. Quando talvez devêssemos estar reivindicando o contrário: menos coisas, uma vida mais viável justamente para estarmos mais presentes.

Eis-me aqui então nesse ano sabático, constatando essa mudança de centro que jamais poderia suspeitar que um dia ocorreria comigo. Não estou trabalhando, mas estou trabalhando muito. Sem saber exatamente qual lugar o trabalho terá para mim em seguida. E bem contente em descobrir que a vida tem bem mais coisas a viver do que aquilo em torno do que a minha sempre girou. Por aqui, boa parte dos meus amigos tentam e conseguem se ver ou se falar ao menos uma vez por semana. E as pessoas saem juntas, se visitam, se encontram no final da tarde, batem papo, escolhem um entre milhares de programas, muitos dos quais de graça, viajam nas férias e nos finais de semana. Há tempo e lugar para muitas coisas além do trabalho mas, principalmente, há tempo e lugar para pessoas e relações.

E você? Quanto custa a vida que você escolheu viver por aí?

8 comentários sobre “Como a vida mudou!

  1. Formidable!
    Até li para meu esposo! Concordamos com td o que vc escreveu!
    Deixa eu te contar: meu bebê nasceu aqui em Pau/ França… Tem um mês! Estou muito feliz! Fiz o parto normal com a peridural! Foi perfeito! Nem acreditei que consegui fazer um parto normal! Rss Deus é mais!!!! Rss
    Ele está super bem! Agora sigo amamentando no peito (exclusivamente) e lutando contra o leite artificial que todo mundo quer empurrar por aqui! Ele está fortinho! Um fofo! Rss
    Um beijo pra vc!

    1. Parabéns, Kelly! Que bom que tudo correu tão bem. Somos capazes de parir, isso é a maior descoberta que temos quando tentamos. E de amamentar também. Boa sorte com o seu pequeno e não se deixe levar por essa cultura da mamadeira não. Abraço grande, Alessandra.

  2. Alê, acho que somos gêmeas separadas na maternidade e de mães diferentes…rsrsrs
    Olha só: a vida toda morei em SP e sempre me vi “engolida” por essa situação conformada que temos: estudar, estagiar, trabalhar,chegar em casa, trabalhar em casa, dormir e recomeçar all over again. Aí engravidei. E mudei de país. Nesses 8 meses de maternidade full time, eu cheguei a mesma conclusão que você e agora, ao voltar à minha velha rotina, não me encaixo, não me adapto, não vejo mais com os mesmos olhos que via antes e todas essas pessoas que estão aqui do meu lado nesse exato momento, trabalhando, falando de números, vendas, só me fazem pensar que fiz a escolha certa em abrir mão disso em prol de uma vida mais simples e mais decente. Voltar pros EUA é questão de tempo e sinceramente, não vejo a hora. Poder pagar o preço justo por tudo, passear com meu filho e marido. Ter uma vida de gente é algo que eu sempre sonhei, mas nunca imaginei que de fato fosse possível.
    A maternidade muda mesmo a gente e eu tb não acho que essa mudança seja só na rotina. Minha cabeça mudou muito! Dou muito mais valor à outras coisas e sinceramente, gosto mais de mim assim! Vi aqui, muitas mulheres que disseram jamais querer outro filho, que amam trabalhar, amam essa vida. Eu daria TUDO agora, pra estar em casa, deitada colada no meu pequeno dominhoco, lavando mamadeira, fazendo almoço, lavando roupa..
    Enfim……… It´s a matter of time! 😀
    bjos

    1. Fala, maninha 😉 A gente se sente um alien, né? Pior que não é apenas a cobrança dos outros, mas a nossa mesma que fomos programadas para esse estado de espírito workaholic, como se fosse o único jeito de existir. Até descobrirmos que pode ser diferente. E como pode! Te dou a maior força nessa sua empreitada, penso que uma vida mais tranquila e com mais qualidade vale o esforço de viver fora. Estarei daqui torcendo e apoiando como puder. Beijocas, Alê.

  3. Acaba até sendo uma crueldade a gente chegar nessa constatação e ter que permanecer na mesma situação – mesmo que temporariamente. Voltar ao trabalho e à correria do dia a dia – SENDO MÃE DE UM BEBÊ – deixa de ser, também por aqui, uma prioridade, uma coisa prazerosa, como antes da maternidade. Tenho feito planos para nadar contra essa maré, buscando alternativas que me suguem menos e me permitam viver mais para minha filha. Mas o peso do financeiro e o cansaço que nos aplaca acabam sendo um impeditivo. Rezo a Deus que não me deixe cair no comodismo…
    Bjs

    1. Puxa, Natália, mas aí é que está, a gente nunca volta à mesma situação, né? Mesmo que fique trabalhando, mesmo que isso perca totalmente o sentido, só essa mudança de disponibilidade e a tentativa de buscar opções já mostram que algo muito lá no fundo mudou e não tem volta. A questão é o que fazemos com isso depois. Beijocas, Alê.

  4. Ai tenho muita vontade de mudar de país por isso, pela mudança na qualidade de vida. Se aqui tenho muitos parentes(não todos pois meu pai e marido são gringos) tem uma pressão enorme para te e ter e ter, trabalhar sem tempo para família e amigos. Que contradição!!!Ás vezes falo para o meu marido que só vale a pena ter filhos se conseguirmos mudar para um país desenvolvido. Aqui seria muito difícil, só de fácil seria o apoio da minha mãe. A única que mora perto aff. Imagina ter que ter a sorte e lutar muito para colocar em um bom colégio federal ou então pagar um bom dinheiro em uma escola mediana? E plano de saúde? Festas de aniversários mirabolantes? Licença paternidade de 5 dias? Licença maternidade de apenas 4 meses? Competição paraver qual entre os amiguinhos tem mais coisas? Racismo ( que sofri) ás escondidas ou não? Este último talvez seja o único item presente no mundo todo, infelizmente.
    bjsss e aproveite seu ano sabático

    1. Pois é, Verônica, nossa mentalidade é totalmente centrada no ter, como se isso é que trouxesse felicidade. E como não é verdade, ficamos com um baita vazio que tentamos preencher tendo cada vez mais. Enquanto isso, as condições básicas da vida ficam negligenciadas ou se paga uma fortuna por elas: educação, transporte, segurança, saúde. Tudo custa caro demais. Se formos pensar em tudo isso, nunca teremos filhos, pois o mundo parece inviável. Por isso que eu digo que essa decisão de ter filhos é uma aposta meio maluca que a gente faz na vida e em que ela possa, ainda assim, valer à pena. Abraço, Alessandra.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s