Vamos falar de séquissu!

O quê? Como assim, Alessandra? Esse é um blog família, um blog sobre maternidade. Justamente. Não sou eu que vou precisar contar para vocês que maternidade e sexo têm a ver, sou? Apenas lembrando que a maioria dos casais têm filhos… olha só que loucura… transando! Eu sei, esse é o tipo de revelação que deixa a gente embasbacado quando olhamos para nossos pais e nos damos conta de que eles transaram ao menos o número equivalente ao número de filhos que têm. Mas provavelmente foram mais vezes do que isso. E provavelmente nossos filhos ficarão igualmente embasbacados quando perceberem que nós também transamos. E que esse é um dos motivos pelos quais eles existem. Enfim. Pessoas transam. Pessoas engravidam e têm filhos quando transam. Então falar de maternidade é falar de algo que tem a ver com sexo. Ok? E deixa eu fazer um spoiler aqui: esse não vai ser um texto muito simpático. Eu disse, eu disse num post anterior que ando meio desaforada. Deve ser o inferno astral ou algo assim. Whatever, vamos ao sexo.

E eu vou começar por todos os disclaimers antes de falar sobre sexo depois de nos tornarmos mães. Assim as pessoas vão parando de ler no meio do caminho e lê até o final quem realmente está preocupado com como ficam as relações sexuais de um casal após a chegada dos filhos. Sim, preocupadO porque esse post é essencialmente dirigido aos homens de plantão.

Primeiro disclaimer: passado o ultraje em ler que um blog sobre maternidade vai falar sobre sexo, a primeira coisa que as pessoas pensam é que aí vem mais um texto sobre como a mulher tem que estar inteiraça e cheia de vontade depois de parir, para não correr o risco de “perder o seu homem”. Se você pensa assim, ou se você acha que é isso que vai encontrar escrito por aqui, pára tudo, volta cinco casas e fica ali no cantinho pensando sobre o absurdo da sua presunção. Porque um dos meus primeiros argumentos é que, não, mulher não tem que nada. E não sou eu que vou escrever mais um texto para botar pressão em cima das mulheres dizendo mais umas tantas coisas que elas deveriam fazer ao mesmo tempo que parir, amamentar, aprender a ser mãe, aprender a lidar com um bebê e tudo o mais.

Segundo disclaimer, que tem tudo a ver com o primeiro e que é mais uma epifania do que qualquer outra coisa. E que é o motivo porque estou escrevendo esse post. Noutro dia estava assim meio de bobeira pensando na vida e tive um insight daqueles poderosos, que é tão óbvio que não sei como nunca antes havia pensado nisso. Descobri, olhem só, que quanto mais machista o homem – ou a mulher – pior ele é na cama. O que? Como assim? Além de falar de sexo, vai dar uma de feminista, é?

Sobre o feminismo, uma hora prometo que eu te explico como é impossível tornar-se uma mãe com o mínimo de senso crítico sem se tornar feminista por tabela. Até lá, vai lendo o que escreve gente que fala melhor de maternidade e feminismo do que eu, tipo a Isa Kanupp, do Para Beatriz.

Talvez hajam mulheres que já perceberam isso há tempos. Talvez as meninas de hoje em dia, que estão muito mais emponderadas, donas da própria voz e do próprio corpo já tenham sacado. Então, pô, por que ninguém me avisou? Teriam me poupado umas histórias bem sem graça, a mim e a uma porção de mulheres que já tiverem o desprazer de sair, ficar, transar, namorar ou casar com homem machista.

Na verdade é meio óbvio. Gente machista costuma enxergar a mulher como um objeto, como algo de que ele poderia dispor segundo seus desejos e necessidades. E algo de que se dispõe não é algo que a gente tome em consideração, algo para o qual a gente olhe, algo de que a gente cuide. Dispor significa usar, que é o que fazemos com objetos. Mulher-objeto é uma mulher para ser usada. E como a gente está cansado de saber que sexo, para ser prazeroso, tem que ter cumplicidade, um mínimo de atenção ao outro, um mínimo de empenho, de cuidado e de dedicação… Pois é, considerar o outro na hora de transar não é algo que combina com ver no outro um objeto do seu prazer, né? Aí está: machismo não rima com prazer na cama. Ao menos para uma das partes envolvidas. O que pode não querer dizer nada para o machista. Mas pode querer dizer uma vida inteira sem experimentar algo que pode ser muito bom e muito divertido para uma porção de mulheres. Homem machista é ruim de cama, minha gente. Pensa nas suas transas, faz a enquete com as amigas, vai por mim.

Então o segundo disclaimer é que se você é um sujeito machista, além de ser ruim de cama, você tem altas chances de estar aqui procurando uma receitinha ou um textinho para pressionar sua mulher a voltar a transar contigo porque, afinal, é obrigação dela. Senão, o que você não encontrar em casa vai procurar na rua. E a culpa vai ser dela. Que você tem lá suas necessidades. E ter filho não é desculpa para deixar de se cuidar, de cuidar do seu homem e de dar para ele. Não é mesmo? Não, não é. Volte trinta casas, senta ali no cantinho por uns cinco anos e vê se usa seus neurônios para aquilo que foram feitos, ou seja, pensar. Pensa um pouco, meu caro, pensa antes que o mundo ande e te deixe para trás choramingando sem entender aonde foi que você errou. Pensa antes de ficar sozinho e virar atração de zoológico como um animal em extinção. Pensa logo, porque o mundo está andando. E esse monte de mulher machista que ainda existe nesse nosso mundo de hoje, e que reforça estupidamente suas opiniões e suas certezas, o que torna sua vida confortável demais… bom, essas mulheres estão mudando bem rápido, estão percebendo muitas coisas óbvias e… Bom, pensa bem direitinho aí, cara. Deixa eu te dar uma dica de por onde começar: mulher não é objeto, é sujeito. Combinado? Em tempo: nem criança. Nem ninguém diferente de você. Todo mundo é tão gente quanto você e deve ser levado em consideração sempre que qualquer coisa que você faça os inclua ou traga consequências para eles. Inclusive transar. Ok? Se isso não é óbvio para você, então para por aqui que é game over. A gente não se vê por aí nem na próxima encarnação.

Se você chegou até aqui e não é daquele tipo de pessoa que gosta de ler algo apenas para querer puxar briga depois nos comentários e sair satisfeito consigo mesmo por julgar que humilhou, destratou ou rebaixou alguém, então deve ser porque você é um sujeito verdadeiramente preocupado com essa história de sexo depois da maternidade. Ou da paternidade. Ou porque sua mulher deixou casualmente essa página aberta ali no computador em cima do sofá e você, que não é bobo nem nada, se deu conta de que tem alguma mensagem que ela está querendo te passar… certo, amorzão? Então, ao invés de falar do que sua mulher tem que fazer para “te segurar” e das mil obrigações dela, vou quebrar o seu galho – sim o seu, porque é você que vai me agradecer depois por não ter perdido uma pessoa tão legal quanto sua esposa faendo papel de idiota por tempo demais nessa vida – e vou dizer o que você tem que fazer. Ou, pelo menos o que, na minha experiência e na experiência das mulheres que me falam sobre o assunto, nós mulheres sentimos, pensamos, vivemos e esperamos de vocês homens quando o assunto é sexo pós nascimento de filho. E isso não é uma verdade absoluta, ok? Só para complicar um pouco mais as coisas…

Bom, vai, anota a listinha aí:

  1. Tem mulher que tem mais vontade de transar quando engravida. Tem mulher que tem mais vontade de transar depois que o bebê nasce. Mas a maioria das mulheres não tem muita vontade de transar quando engravida (especialmente no final da gravidez). E tem pouca ou nenhuma vontade de transar depois que o bebê nasce. Não fique chateado com o que eu vou te dizer mas… não é pessoal. Não necessariamente. Não é contigo. Um combinado de mudanças hormonais, mudanças gigantescas de vida e de perspectiva de vida com um cansaço sem tamanho fazem com que a gente só consiga pensar em dormir. E no bebê. Não necessariamente nessa ordem.
  2. Isso é muito sério, nunca subestime o cansaço de uma mulher que acabou de ter um filho. Você pode querer transar e ela pode estar pensando em quantos minutos preciosos de sono está perdendo com aquela transa que nem está tão boa assim. Porque ela está cansada. Preocupada. Não quer fazer barulho para não acordar o bebê. Porque se ele acordar lá vai ela de novo, sem conseguir descansar nem por quinze minutinhos. E se ela está transando contigo mesmo exausta é porque, provavelmente, ela tem essa pressão social perversa dentro dela de que tem que estar disponível para o marido, tem que estar a fim, tem até que gostar. Mas ela não está afim. Ela quer dormir. E se você não percebeu é porque talvez seja um ogro. Volta para o disclaimer e senta ali no cantinho. E se você percebeu e não parou é porque ainda não entendeu que isso é um abuso. Feio, muito feio. Para já de transar com uma mulher que não está afim e deixa ela descansar, cara. Ela não deixou de te amar ou de te desejar depois que esteve filho, ela só está cansada. E com o foco no bebê.
  3. Consequência do anterior: nunca subestime a mudança de prioridades que muito provavelmente acontece para uma mulher quando ela se torna mãe. Os filhos se tornam prioridade. Ah, mas isso é motivo para ela deixar o marido de lado, se esquecer da relação, negligenciá-lo e tal? Isso não é um jeito saudável de ser mãe, isso de ficar se dedicando a cem por cento para o filho. Cara, para que está feio. Sua mulher não está fazendo nada disso. Ela não está te deixando de lado, te esquecendo, te negligenciando. Sai um pouco do seu umbigo, para de falar “eu, eu, eu” e olha para o que está acontecendo ao seu redor. Sua mulher está… cuidando do seu filho. Percebe? Ela está se dedicando ao filho de vocês. Você deveria estar feliz e orgulhoso pelo cuidado que ela tem, pela sua capacidade de se doar, pelo amor com que ela faz as coisas mais corriqueiras. Devia estar feliz, orgulhoso, admirado e agradecido de ter essa mulher que cuida assim de um filho seu. Se você ainda não sacou que isso diz muito sobre a pessoa com quem você decidiu formar uma família, acho que você também precisa voltar umas cinco casas, sentar ali no cantinho e rever alguns conceitos.
  4. “Ah, mas e eu? Eu também preciso de atenção, carinho e cuidado!”. Claro que sim. E se você ainda não notou, provavelmente ela também. Ela também deve se sentir carente, deve se sentir sozinha, deve sentir falta de um carinho, um cafuné, um colo, um sei lá o que. E só não pede porque fica preocupada de você entender que isso é um convite para vocês transarem. E ela não quer transar, cara. Ela quer carinho, cafuné, massagem nas costas. Não quer que isso termine na obrigação de dar para você. Mas como tem homem que não consegue dissociar uma coisa da outra, muita mulher fica ali com a sua carência, tendo que dar para o filho o que não tem. Que tal, ao invés de chegar junto, você ser apenas carinhoso com sua mulher? Sem segundas intenções. Ou com segundas intenções mas sem botar nenhuma pressão. Pode rolar algo, pode não rolar nada, mas pode rolar carinho, afeto, troca e isso pode ser muito bom tanto para um quanto para outro.
  5. Além do que, não sei se você já reparou, mas o seu filho… é um bebê. E você… é um adulto. E uma das diferenças entre um adulto e um bebê é que o adulto deveria saber que um bebê tem necessidades mais vitais e mais urgentes do que as dele. Um adulto deveria ter aprendido a esperar, a adiar e, até, a renunciar. Para a boa e velha psicanálise, é isso que a gente “ganha” quando passa pelo tal do complexo de Édipo. Presente de grego? Sim, literalmente. Mas é uma beleza saber disso par lidar com a vida, com as impossibilidades da vida e com as frustrações que fazem parte de estar vivo.
  6. “Ah, mas então esse pirralho que fique ali frustrado, esperando, porque ele tem que aprender desde pequeno que não pode ter tudo o que quer… tem que ter limite, não pode dispor assim de tudo e de todos em função dos seus desejos.” Assim disse o cara que vê as necessidades de um bebê como desejos e caprichos e que vê os seus desejos como necessidades tão fundamentais que deveriam passar na frente daquelas que o bebê tem. Hummm… precisa explicar onde está o problema? Senta ali e pensa mais um pouco.
  7. “Mas isso dura quanto tempo? Porque, ok, eu sou um cara legal e fico de boa aqui, durante um mês, fazendo o meu papel de pai esmerado e marido compreensivo… mas tudo tem limite, né?”. Tem, tem mesmo. Mas, infelizmente, nesse caso quem coloca o limite não é você. A não ser que queira botar limite no casamento por não respeitar esse começo fusional e importante da experiência da maternidade. Mesmo que você possa argumentar, com todo o verniz psicanalítico que te parece muito útil nesse momento, que “o pai precisa entrar na relação entre a mãe e o bebê e estabelecer um terceiro nessa relação, um corte, um limite”. Mesmo que você argumente que sua interferência e sua reivindicação são legítimas e para o bem da criança. Porque, novamente, você está usando algo para o que te convém. Do mesmo jeito que usa sua mulher-objeto, usa esse argumento do terceiro. E porque, qualquer um que considere com o mínimo de seriedade esse argumento psicanalítico sabe que as relações mãe-bebê que se tornam doentias e coladas são uma minoria. E que a dependência é uma necessidade do bebê para a qual a mãe se presta. Felizmente. E que o terceiro vai entrar de todo o jeito. Que você vai entrar de todo o jeito. Porque você existe. E o mundo existe. E se você parar de ser um babaca e for mais humano, cuidadoso, sensível e respeitoso com a sua mulher e com as necessidades do seu filho, ela não vai precisar ficar lutando contigo para proteger as necessidades básicas dele. E vai ser muito mais fácil dela deixar você estar perto. Até para transar, cara.
  8. Se ainda não ficou claro, vou dizer de outro modo: se você for infantil o suficiente para encarar a paternidade como uma competição com o seu filho recém-nascido pela atenção da sua mulher, e se você cair na besteira de ficar concorrendo com ele como se os dois estivessem no mesmo lugar, e se insistir em ficar dificultando ainda mais a vida da sua esposa nesse momento que já é tão difícil, delicado e sensível… quem vai perder é você. Anota aí em caixa alta, que essa é quase uma certeza absoluta: SE OBRIGAR UMA MULHER A ESCOLHER ENTRE VOCÊ E O FILHO DELA, ELA VAI ESCOLHER O FILHO. Quantas mulheres vocês conhecem que fizeram o oposto disso? Por pressão social, tradição cultural, instinto, ou simplesmente porque a pessoa tem o mínimo de noção para perceber que botou um ser no mundo que precisa dela e pelo qual ela é responsável… adivinha quem vai ganhar se você entrar nessa competição baixa, mesquinha e perversa? Não é você, cara.
  9. “Ah, mas então é ela quem vai perder porque eu vou procurar fora o que não tenho em casa!”. O mais triste nesse argumento, para mim, é que tem muita mulher que acredita nele. E fica com medo. Medo de perder o machistão ogro que é capaz de ameaçar mesmo que tacitamente uma mulher que acaba de gerar um filho dos dois com essa história de transar com outra. E a última coisa que uma mulher quer, logo que tem um filho, é se separar logo em seguida. Ou durante a gravidez. E é incrível como isso é mais comum do que temos notícias. E, podem anotar aí como mais uma quase certeza absoluta: para uma mulher se separar grávida ou recém parida é porque a coisa tem que ser muito, muito séria, muito grave. Porque ela certamente vai ter muito medo de ficar sozinha com tudo o que envolve ter um filho, ela vai ter tanto medo de se separar nessa hora que vai se dispor a engolir muita coisa. O que significa que um cara, para conseguir que uma mulher vá embora grávida ou com bebê nos braços precisa fazer uma asneira descomunal, tipo achar que tem razão em ir “procurar fora”.
  10. Então, colega, se você cogitou mesmo que remotamente em arrumar uma amante, uma peguete, um casinho ou mesmo uma história de uma noite no exato momento em que sua mulher está às voltas com o turbilhão que é ser mãe, deixa eu te dizer que você está correndo um risco imenso. Mesmo. Você está em sério perigo. Porque, na minha humilde opinião, traição nunca é algo bom. E porque uma mulher traída num momento desses é uma mulher que tem medo, mas também é uma mulher que tem uma coragem colossal de te mandar pastar. Os casais têm ou teriam mil maneiras de construir suas relações levando em conta que querem ter outros parceiros, poliamor, triângulo, poligamia serial ou o que quer que funcione para cada casal específico. Cada casal constrói sua relação e quanto mais abertos estejam a estar com o outro de maneira sincera e menos dispostos a adotarem qualquer clichê besta sem nem ao menos pensar se isso serve a eles, mais chance a coisa tem de dar certo. E mentir e trapacear não fazem parte do pacote. Nunca. Mentir e trapacear são coisas de gente que não assume o que quer, nem para si, nem para o outro. E que não corre o risco de construir ou encerrar uma relação por assumir o que quer. Mentir e trapacear são coisas de quem quer ter tudo, de quem não quer perder nada. E de quem não quer ter que pagar o preço de nada. O ogro lá de cima. O machista. No limite, o perversão de plantão. O narcisista. E, se além de mentir e trapacear você decide que a gravidez da sua mulher ou o pós-parto são momentos legítimos para você sair por aí exercendo o seu direito de transar com quem quiser… Bom, tudo o que posso te dizer é que na hora em que ela ficar sabendo vai ser muito difícil para ela conseguir te perdoar. Porque sempre que ela olhar para o filho, ela vai lembrar que estava sozinha enfrentando todo o perrengue do começo de vida com um bebê enquanto você se afastava, se desimplicava, se desincumbia. E se não é raro que mulheres e casamentos sobrevivam após traições do cara-metade, traições durante gravidez e puerpério raramente terminam em outra coisa que não uma separação em um péssimo momento. Com direito a muito sofrimento para todos. Volta para o início do jogo e nasce de novo. De preferência com um coração que funciona, ok?

Não se preocupe que eu volto para acalentar seu coraçãozinho perturbado com uns do & don’t mais simpáticos na continuação desse post. Que antes de poder ser simpática, generosa e construtiva era preciso esclarecer algumas coisas bem sérias que as mulheres dificilmente conseguem falar com seus parceiros quando o assunto é sexo depois de ter filhos. E que já era hora de alguém dizer.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s