Grávida pode tudo

Para rir…

blog da kikacastro

Não gosto muito do quadrinista Allan Sieber, que publica tirinhas diárias na “Folha”. Mas morri de rir com a série que ele inventou dia desses, a “Grávida Pode Tudo”.

Como o ano passado foi de muitíssimas grávidas e grávidos ao meu redor, no trabalho, na família e na amizade, dedico este post a eles, já com seus respectivos bebezinhos fofíssimos:

Bifaland, A Cidade Maldita

Bifaland, A Cidade Maldita

E pode mesmo, né 😉

 

Ver o post original

Bom texto sobre a episiotomia…

aqui. Porque não faz muito sentido acreditar que todo e qualquer procedimento médico durante o parto é simplesmente normal apenas porque ele foi instituído como algo comum e imprescindível nessa situação, né? Melhor pensar no que deseja e no que se dispõe a fazer ao longo de sua gravidez e parto antes que outras cabecinhas decidam por você e por seu bebê. Porque essa naturalização de gravidez e parto como atos médicos, questões médicas, mais ligadas ao risco e à patologia são uma deturpação recente de algo que sempre foi natural e fez parte da vida. E se todo esse “cuidado” traz, em alguns casos, um real benefício para mães e bebês, na grande maioria é apenas excesso aplicado a um acontecimento que poderia muito bem se passar sem ele.

Obesidade infantil.

A absurda situação alimentar a que estão submetidas nossas crianças no Brasil. Deprimente saber que, graças a nós, os pais, e com uma ajudinha nada desprezível da publicidade, nossos filhos vão viver pior e por menos tempo do que nós… País do futuro? Que futuro com crianças obesas, doentes, que não brincam e cuja base da alimentação é Coca-Cola e batata frita? Sem mais, assistam:

Muito além do peso

imgres