Rapidinhas da maternidade

Mais descobertas sobre a maternidade entre fraldas, sonecas, banhos, sorrisos, brincadeiras e tudo o mais:

  • depois dos sorrisos dormindo, vêm os sorrisos acordada, olhando no olho, diretos para você… coisa de fazer o amor aumentar de forma exponencial, quando você imaginava que nem teria como amar mais aquele serzinho ali.
  • roupinhas se perdem de um dia para outro, nessa época em que 1cm a mais ou  menos faz uma enorme diferença.
  • quando você diz que depois da mamada vai tomar um banho, ou jantar, ou ambos, isso pode querer dizer dali a 5 horas. Ou no dia seguinte.
  • aliás, é bom relativizar tudo aquilo que você concebe como um prazo sensato para qualquer coisa: quando dizem que o bebê cria um ritmo e uma rotina, isso não significa que vai acontecer no tempo que você julga plausível para tanto, mas no tempo que o bebê precisa para isso. Quer dizer: é no ritmo dele, não no seu, ok?
  • das perguntas idiotas, “você já voltou a trabalhar?” está no meu top 3 da cretinice. De onde vêm essa necessidade das pessoas de te pressionar para que você retome uma vida que já mudou e que aja como se um acontecimento de tão grandes proporções como ter um filho pudesse ser equacionado em poucos meses a ponto de você voltar ao trabalho linda, leve e solta? Parece que acreditam que voltar ao trabalho sinalizaria que o furacão já passou e que tudo, inclusive você, já está de volta no quadradinho dos rótulos em que haviam te colocado.
  • outra do meu top 3, que normalmente segue a anterior: “mas você não se entedia? não faz alguma coisa para se ocupar?” Quer dizer que eu fico em casa de pernas pro ar o dia inteiro e preciso de ocupação, né? Pergunta que vem, usualmente, de pessoas que julgam que, já que você está em casa o dia inteiro, sem trabalhar, ao menos poderia fazer uma comidinha, dar uma adiantada na faxina, passar umas roupas… se ocupar, pô! Quer dizer, por que você não faria, não está trabalhando, está cheia de tempo livre…
  • frequentemente, as perguntas cretinas são feitas por pessoas que julgam a maternidade como um calvário que cada qual tem que suportar. Quer dizer, trabalhar é um prazer, férias são um prazer, a balada é um prazer, mas ter filhos não pode ser, entende? Assim, o sujeito fica ali testando o quanto você está tão mal nessa situação quanto ele está, ou quanto ele supõe que você deveria estar. Não passa pela cabeça desses seres que, talvez, para você ser mãe possa ser uma escolha, um prazer, uma alegria e que, mesmo descabelada e cansada, você está realmente bem com isso e não queria estar em outro lugar nesse momento.
  • aliás, diga à maior parte das pessoas, em resposta ao “como andam as coisas?”, que está cansada e ouvirá um sermão culpabilizante sobre as maravilhas da maternidade. Diga que está bem, tranquila e feliz e ouvirá um discurso sobre: 1) os erros que está cometendo, 2) tudo o que você está perdendo de legal, 3) como ter filhos é uma coisa tão chata e limitante.
  • a curva de crescimento é mais importante do que a constatação de que seu bebê está bem. Nenhuma conversa com mães escapa do momento: “ela pesa quanto?”, “ganhou quantos quilos?”, “mede quanto?”. De repente, todo mundo virou pós-doutor em estatística.
  • amamentar pode dar certo. Mas é preciso muito amor e paciência. Não só com o rebento mas, especialmente, consigo mesma. O ritmo é o dele, lembra? E, provavelmente, vai demorar mais par engrenar do que o prazo que você botou na sua cabeça. Ninguém manda ser acelerada em um mundo acelerado. A criança que acabou de chegar nem sabe disso – que bom! – e vai fazer as coisas conforme puder e precisar. Quem sabe seja uma boa oportunidade para desacelerar ritmos e expectativas, não?
  • se alguém anda precisando de argumentos pró-amamentação, e não se contenta com todos aqueles que falam em prol da saúde do bebê, só tenho uma coisa a dizer: 10 quilos perdidos em menos de 3 meses. Pense nisso.
  • o que são esses homens nojentos que ficam olhando enquanto você amamenta? Pois além dos olhares de censura, como se um peito para fora fosse mais pornográfico do que as imagens de guerra, miséria e corrupção com as quais somos bombardeados cotidianamente sem o menor pudor, existe o olhar bizarro de adultos tortuosos que babam enquanto você amamenta como se fossem psicopatas. Ainda estou tentando pensar em como Freud explicaria essa.
  • Paris é uma cidade hostil para mulheres grávidas e para mães de bebês e crianças de colo. Muitas escadas, muita gente, muito perrengue, espaço zero em restaurantes, bares, cafés, metrô, ônibus… Mas os parisienses se revelam em toda sua gentileza inesperada quando você carrega um bebê. Acho que todos sabem do perrengue que todos passamos no dia-a-dia não tão cor-de-rosa da cidade luz.
  • aliás, wrap, sling e todos os meios de portagem são essenciais por aqui (ainda vou escrever uma ode a eles). Tirando todos os benefícios que trazem em termos de reconforto e segurança par ao bebê, nada mais prático para circular por essa cidade do que algo que não triplique de tamanho o espaço que você ocupa nos lugares. Franceses parecem detestar gente muito espaçosa.
  • assim como parecem detestar bebês que choram, como se fosse uma aberração da natureza. Pois é, chorar é que é esquisito, não ter um dos maiores índices de consumo de antidepressivos do mundo. Acho que os franceses choram pouco, vai ver é isso. Excesso de discrição.
  • contudo, a França possui um sistema de acompanhamento do recém nascido durante toda a sua primeira infância que é IN-VE-JÁ-VEL. Mesmo.
  • amor de mãe só aumenta. E aumenta. E quando você acha que está no cume da montanha, aumenta ainda um pouco mais.

Outras descobertas: aqui.

Rapidinhas da maternidade

Não, esse não é um post erótico ainda que, se formos levar o velho Freud ao pé da letra… putz, aí temos assunto para um tratado.

Mas, não, nada de tratado justamente porque mãe de recém nascido tem pouco tempo para digressões. Bons tempos aqueles de grávida que escrevia tratados… agora, ficamos nas rapidinhas, ok? Quer dizer, nem sempre. Mas hoje sim.

Então, sem mais… entre uma mamada e outra, uma fralda e outra, uma soneca e outra, o que ando descobrindo sobre a maternidade:

  • que bebê vem com um radarzinho de fabricação que é a coisa mais eficiente do mundo. Basta você achar que finalmente pode fazer um xixizinho e o radar soa. Ou tomar um banho. Ou almoçar. Radar de precisão britânica, infalível o danado, já tentei tapeá-lo de todas as maneiras, mas não é que o bichinho soa e a pequena acorda precisando de algo sempre? E nunca é quando você decide fazer, é quando você acabou de ensaboar o cabelo, debaixo do chuveiro, e vai levar ao menos 5 minutos para tirar aquela espuma toda, se enrolar na toalha e sair correndo pela casa. Putz!
  • que nojinho de cocô de criança é algo bastante relativo, que passa quando eles despejam a primeira montanha em você e você comemora porque fazer cocô é bom. Putz!
  • que dormir três horas seguidas é uma dádiva dos deuses celebrada com tanta euforia quanto o cocô atômico. Ainda mais de noite. Putz!
  • que o sling e o wrap são os melhores amigos das mamães quando seus anjinhos precisam de colo… Funcionam que é uma maravilha para acalmar os pequenos, esquentar, reassegurar, fazer dormir e vários outros afins. Uma coisa tão simples, tão antiga e tão eficiente quanto o radarzinho dos bebês do qual falei logo acima. Quem inventou o carrinho de bebê não devia gostar muito de crianças, sério.
  • que tem mais gente chata para dar opinião depois que o bebê nasce do que enquanto você está grávida. Isso nem posso dizer que descobri, pois já tinham me falado que iria piorar. Mas… tanto assim?
  • que existem tantos conselhos e tantas opiniões sobre amamentação quanto existem pessoas nesse mundo. É alucinante. Se você for escutar o que cada um te diz a respeito, dos experts aos conhecidos sem noção, você termina o dia sem saber o que fazer, sentada, chorando, totalmente confusa e sem conseguir amamentar o seu bebê. Meu! Deixem as mães em paz!
  • que mesmo que os primeiros sorrisos sejam dormindo e apenas movimentos reflexos como todas as outras caretinhas, para você é um sorriso e um sorriso é um sorriso é um sorriso…